A POLEMICA PERANTE CRIADORES DE FUNDO DE QUINTAL

criadores clandestinos

Um costume muito ruim que o brasileiro adquiriu é o de comprar animais de raça “da moda”. Esse estímulo gera aumento nas criações. Muitos animais são oriundos de petshops e criadores de fundo de quintal.

Não há um costume de pesquisar a procedência dos animais adquiridos e nem a saúde deles. Como existem diversos locais que não se preocupam com a saúde destes animais, eles acabam desenvolvendo doenças e passando para seus filhotes, criando uma geração de animais frágeis e sem saúde. A maioria dos locais onde os filhotes são gerados não passam de quintais e corredores úmidos, fétidos, ou cubículos escuros, sem ventilação, higiene ou mesmo em gaiolas onde as matrizes (fêmeas) ou padreadores (machos) podem viver desde que nascem até ficarem doentes, morrerem ou não servirem mais para procriar, ou seja,  sua vida toda. Muitos casos acabam em mortes por disputas de território e alimento.

Pelo fato de existir pressa na venda dos filhotes também não são aplicadas nem mesmo a primeira dose das vacinas necessárias, sendo muito comum já virem contaminados com doenças como Cinomose, Parvovirose, e no caso dos gatinhos com Rinotraqueíte Felina, FELV (Feline leukemia vírus FIV  (Feline immunodeficiency vírus), e em ambos poderão vir infestados  de ectoparasitas (pulgas, carrapatos e vermes).

Diversos canis são fechados e muitas denúncias são feitas à DPMA (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente), mas estes casos são pequenos perante a grande indústria de venda de animais.

Quando as pessoas se conscientizarem do que existe realmente por trás deste triste comércio estaremos dando um enorme passo, onde quem gosta de bichos, não mais colaborará para o sofrimento, a crueldade e a exploração destes seres indefesos.